Femama Batalhadoras. Todo dia uma vitória contra o câncer de mama. Marlí Marcon

Notícias

Cuidado paliativo não é sobre morrer, é sobre como quero viver até lá; conheça a Ana Michelle

Cuidados paliativos não são apenas para quem está à beira da morte.


31/08/2018 - Sobreviver. O Bem Estar de 22/08 falou de cuidados paliativos. Eles não são apenas para quem está à beira da morte, mas também para quem tem chance de sobreviver, aumentando até a chance de sucesso do tratamento.

“Descobri que cuidados paliativos não era sobre morrer, era sobre como eu queria viver até lá. E esse lá pode ser um mês, dois anos, cinco anos, 10 anos. Quem sabe?”.Quem disse isso foi a jornalista Ana Michelle Soares, de 35 anos, que descobriu um câncer de mama metastático, sem cura.

O Bem Estar contou a história da Ana e da Renata. Elas se conheceram quando descobriram, ao mesmo tempo, o câncer de mama.

Elas foram encaminhadas para o tratamento paliativo. Entre um ciclo e outro de quimioterapia, elas conheceram restaurantes, brincaram carnaval, viajaram para Fernando de Noronha, para a Europa. “A gente descobriu que estava em progressão de doença, mas a gente decidiu viajar porque aqueles dias não fariam diferença no nosso tratamento. Na volta fomos para o enfrentamento”, conta Ana.

Aluta da Renata terminou uma semana antes do encontro do Bem Estar com a Ana.“Eu não deixei de falar nada para ela. Ela não deixou de falar nada para mim. Ela foi embora sem pendência, porque até quando você assume essa questão de cuidados paliativos, você entende que vai chegar um momento que a médica vai chegar para você e falar: não há mais o que fazer. Mas mesmo quando não há nada para fazer, tem muito a ser feito ainda”.

Além do acompanhamento médico, os cuidados paliativos da Ana incluem algumas coisas que fazem ela se sentir melhor, e que não atrapalham o tratamento. Ela toma vitaminas, faz terapia, meditação e Reiki. “Como meu tratamento é contínuo, eu preciso que o médico me olhe. Eu preciso que ele me olhe e que ele entenda se eu estou feliz, se eu não estou, se o tratamento está me fazendo bem”.

“Viver com profundidade, com intensidade é uma coisa tão maravilhosa, que eu queria que as pessoas vivessem dessa forma, sem precisar de uma doença. Eu vou chegar ao fim da minha jornada e falar que foi extraordinário. Vai ser lindo!”, finaliza a jornalista. Ela prometeu que vai completar a lista de desejos que fez com a Renata.

Amor,cuidado, acolhimento são remédios fundamentais na abordagem paliativa. O médico paliativista e geriatra André Junqueira explica que são três eixos principais:

- Controle de sintomas (principalmente a dor);

- Qualidade de vida (priorizar ações que podem melhorar o psicológico e emocional do paciente).

- Medidas de conforto e dignidade (trabalhar com os valores de vida da pessoa)

As intervenções podem ser no hospital, na casa do paciente ou em um ambiente intermediário chamado de Hospedaria. Um local que não é tão tecnológico e cheio de recursos como um hospital - porque não há necessidade - e nem a casa da pessoa, onde, talvez, os familiares não tenham condições de cuidar.

A prática é multidisciplinar. Além do médico, o paciente conta com assistente social, fonoaudióloga, fisioterapeuta, psicólogo, medicina integrativa,terapia.

O que é cuidado paliativo?

De acordo com a OMS, "cuidados paliativos consistem na assistência promovida por uma equipe multidisciplinar, que objetiva a melhoria da qualidade de vidado paciente e seus familiares, diante de uma doença que ameace a vida, por meio da prevenção e alívio do sofrimento, da identificação precoce, avaliação impecável e tratamento de dor e demais sintomas físicos, sociais, psicológicos e espirituais".

Quando falamos em cuidado paliativo, muitas vezes a ideia que vem à cabeça é de um paciente terminal, que está morrendo e não há mais o que fazer por aquela pessoa.É importante desmistificar esse conceito. Em alguns lugares o termo até mudou para Cuidado de Suporte à Terapêutica. São cuidados para pessoas com alto grau de sofrimento, seja potencial (diagnóstico de uma doença grave e tem uma jornada pela frente) ou real (quando o paciente está sofrendo), desde o diagnóstico ao luto, quando a pessoa chega a morrer. O médico paliativista Leonardo Consolim lembra alguns conceitos importantes:

- Peça ao médico o acompanhamento da equipe de cuidados paliativos;

- Receber cuidados paliativos não quer dizer que está abandonado, o tratamento continua e talvez se cure;

- A quimioterapia não vai tratar a angústia, choro, depressão;

- O foco é o paciente e não a doença;

- Se tratar só a doença, ou a gente ganha, ou a gente perde. Se tratar a pessoa, agente sempre ganha.

Quem pode se beneficiar?

Qualquer pessoa que tenha o diagnóstico de alguma doença grave, evolutiva e com alto potencial de sofrimento. Exemplos: câncer, AIDS, Alzheimer, Parkinson, ELA,DPOC (doença pulmonar obstrutiva crônica), insuficiência cardíaca. Pacientes internados que estão fragilizados pela soma de várias doenças, que sozinhas não trariam risco, também podem entrar nessa lista.

Os casos de câncer são os que mais usam os cuidados paliativos. Grandes centros têm uma equipe de paliativos que acompanham os pacientes desde o início. Em outros hospitais, dois critérios são utilizados para acionar a equipe:

- Pelo menos dois sintomas descompensados (ex.: insônia, dor, falta de ar, náusea);

- Funcionalidade reduzida.

Isso porque a cobertura pública é reduzida e não daria conta de atender todo mundo.


Fonte: G1 Bem Estar, 22/08/2018 


Compartilhe: