Femama Batalhadoras. Todo dia uma vitória contra o câncer de mama. Marlí Marcon
  • Twitter
  • Facebook
  • Tou tube
  • RSS
Artigos mais recentes
  • Notícias

    Brasileiro desenvolve sensor que detecta predisposição ao câncer de mama

    27/06/2018 - O professor Bruno Campos Janegitz, da Universidade Federal de São Carlos, conquistou menção honrosa na 13ª edição do prêmio Mercosul de Ciência e Tecnologia pelo desenvolvimento de um sensor eletroquímico de DNA que detecta a predisposição genética ao câncer de mama. O dispositivo encontra mutações no gene BRCA1, que estão associadas aos tumores de mama triplo-negativos.

    Leia mais

  • Notícias

    Chega ao Brasil novo equipamento para diagnosticar câncer de mama

    15/06/2018 - Uma das principais queixas das mulheres que se submetem à mamografia é a dor ocasionada pela compressão das mamas. Mas um novo equipamento da Hologic, empresa pioneira na criação de tecnologias para mamografia digital, promete amenizar o incômodo. Ele será lançado no segundo semestre no Brasil.

    Leia mais

Fique ligada
  • Batalhadoras | 21/maio

    Salete Rosa

    21/05/2018 - Olá, meu nome é Salete, e quero dar um depoimento pra ajudar as mulheres que estão passando pelo problema do câncer. Tive câncer de mama e há cinco anos estou curada. Na hora, a gente se desespera, acha que tudo vai acabar, mas não é bem assim.

    Leia mais

  • Batalhadoras | 25/outubro

    Taline Libanio

    26/10/2017 - Meu nome é Taline. Tenho 33 anos e sou a prova viva de que o câncer não escolhe idade, sexo, raça ou classe social. Minha família é "herdeira" de uma mutação genética no gene BRCA1 e no final de 2015, com 31 anos, descobri que também era acometida pela mutação e que tinha 87% de chances de desenvolver o câncer de mama até meus 35 anos.

    Leia mais

Vídeos | Título Vídeo

Curta-metragem fala sobre a [...]

Galarias de Vídeos - clique aqui
Artigos mais lidos
  • Câncer de Mama | 10/outubro

    Convivendo com a doença / Dicas de cuidados durante o tratamento

    26/10/2017 - Meu nome é Taline. Tenho 33 anos e sou a prova viva de que o câncer não escolhe idade, sexo, raça ou classe social. Minha família é "herdeira" de uma mutação genética no gene BRCA1 e no final de 2015, com 31 anos, descobri que também era acometida pela mutação e que tinha 87% de chances de desenvolver o câncer de mama até meus 35 anos.

    Leia mais

@femama_